30 C
Cuiabá

Trabalhadores do hospital universitário cobram condições de trabalho

Trabalhadores do hospital universitário cobram condições de trabalho

 

 

Trabalhadores do Hospital Universitário Júlio Muller (HUJM) estão utilizando os atos da greve para ampliar a cobrança por melhorias nas condições de trabalho e atendimento da unidade. Em reunião realizada na última quinta-feira (15.05), eles denunciaram situações gravíssimas que dificultam o trabalho e podem colocar em risco a saúde dos pacientes. Entre as situações elencadas, destacam-se a falta de enfermeiros na Clínica Médica, falta de vestimenta adequada na UTI Neonatal, colchões em tecido propício a acumulação de bactérias na área de repouso, falta de acompanhamento da saúde dos trabalhadores, entre várias outras denúncias.

Veja a galeria do ato de greve 

Veja a galeria da reunião com diretoria Ebserh

 

Segundo a coordenadora geral do Sindicato dos Trabalhadores Técnico-administrativos da UFMT, Leia de Souza Oliveira, o atendimento continua normal no hospital, mesmo durante a greve, porém, a situação na unidade está muita delicada. “Os trabalhadores optaram por não parar suas atividades para não colocar em risco a saúde dos pacientes, porém eles não estão satisfeitos com as condições de trabalho, isto é muito claro. Hoje existe uma situação de constante stress no HUJM. É comum encontrar trabalhadores sendo expostos a situações de risco a sua própria saúde, ou se sentindo impotentes de atender a população de forma adequada”, pontuou Leia.

 

Ela citou que no dia 30 de abril foi realizada uma panfletagem na frente do hospital para chamar a atenção dos usuários sobre a situação extrema que os trabalhadores estão vivendo. Infelizmente, no mesmo dia, uma trabalhadora quase foi agredida por um paciente que exigia ser atendido de forma rápida mesmo a unidade estando lotada. O caso foi apresentado ao superintendente do hospital, Francisco Souto. Ele é o representante da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) que passou a administrar o hospital no lugar da UFMT.

 

Ele informou, em linhas gerais, proposições de mudanças na estrutura física do HUJM, porém, dependem da liberação de orçamento.  Informou da expectativa de contar com os trabalhadores para otimizar as ações do hospital e reafirmou que os direitos conquistados, como carga horária, estão mantidos.

 

Novas reuniões entre o Sintuf-MT e a diretoria da Ebserh deverão ser realizadas para acompanhar se as denúncias foram sanadas.

 

Daniel Dino

Assessoria/Sintuf-MT

 

Mais informações: (65) 9900-0050

Compartilhar post:

Popular

Mais como isso
Related

GREVE NA EDUCAÇÃO: Trabalhadores da UFMT rejeitam proposta do Governo

Os trabalhadores técnico-administrativos da UFMT rejeitaram a proposta apresentada...

Assembleia Geral de Greve será nesta terça-feira (28)

O Comando de Greve, por meio da Coordenação Colegiada...

Coletiva de Imprensa: a greve da educação federal e as negociações com o governo

Os CNGs das entidades representativas da educação federal em...

Assembleia Geral 23.05

https://youtube.com/live/w6SuspoRotQ?feature=share
Feito com muito 💜 por go7.com.br