26 C
Cuiabá

Sintuf-MT cobra planilha da composição dos R$ 8,90 cobrados no Restaurante Universitário

Daniel Dino

Assessoria/Sintuf-MT

 

O Sindicato dos Trabalhadores Técnico-administrativos em Educação da UFMT (Sintuf-MT) cobrou esclarecimentos da Reitoria sobre o valor (R$ 8,90) das refeições servidas no Restaurante Universitário da UFMT. O sindicato deverá fazer uma representação no Conselho Universitário solicitando que a empresa responsável pelo restaurante apresente sua planilha de custos e justifique o valor. A questão foi debatida durante reunião realizada nesta quinta-feira (06.02) entre a direção do Sintuf-MT e a reitora da UFMT, Maria Lucia Cavalli.

 

O assunto se tornou um problema a partir do mês de novembro de 2013, quando uma empresa passou a administrar o RU e cobrar R$ 8,90 por refeição dos técnico-administrativos da instituição. “O valor que o trabalhador da UFMT pagava para comer no bandeijão era de R$ 2,00, porém, em novembro houve um aumento de mais de 400%. Existem restaurantes próximos que fornecem alimentação com mais qualidade e com preço melhor, e isto nos chamou a atenção para entender melhor a composição do preço que o RU está cobrando”, pontuou a coordenadora geral do Sintuf-MT, Leia de Souza Oliveira.

 

Ela ainda argumentou que outros restaurantes universitários da região, como a UNB, UFMS e UFG, cobram valores inferiores, em torno de R$ 5,00, inclusive em cidades onde o custo de vida é mais elevado.

 

Segundo a reitora, existe um grande subsídio da administração para garantir o valor de R$ 1,00 pago pelos estudantes em suas refeições. “O valor que nos é cobrado pela empresa é de R$ 8,90 por refeição, ou seja, para cada estudante que utiliza o RU e paga R$ 1, a UFMT paga outros R$ 7,90”, pontuou Maria Lucia. A universidade estaria destinando em torno de R$ 8 milhões de recurso de custeio ao ano para garantir essa política de assistência. A reitora destacou que são servidas cerca de cinco mil refeições por dia em todo o campus, sendo a metade delas é no campi Cuiabá.

 

Ao ser questionada sobre o valor de R$ 8,90, ela reconheceu como elevado, porém destacou que apensas cumpriu a legislação, ou seja, abriu o processo de licitação por menor preço para a empresa gerir o RU, sendo que este foi o menor apresentado. O Sintuf-MT reitera sua posição de defesa da UFMT. 

Compartilhar post:

Popular

Mais como isso
Related

GREVE MANTIDA: Técnicos da UFMT aceitam reajuste de benefícios, mas aguardam proposta salarial 

Os trabalhadores técnico-administrativos da UFMT decidiram aprovar o termo...

Análise Termo Compromisso 01

Ofensiva de Elon Musk é contra a democracia brasileira, diz dirigente da CUT

O tema ‘liberdade e democracia nas redes sociais’ voltou...

Entenda por que ‘fazer Uber’ é ter uma relação de trabalho com a plataforma

O Projeto de Lei Complementar (PLC) dos motoristas por...
Feito com muito 💜 por go7.com.br