Cuiabá
Carregando...

? ºC

/

Cuiabá (MT), 22 de maio de 2019 - 12:44

Galeria de Imagens

02/05/2019 09:08

Ministério Público, Sintuf e UFMT reúnem-se em busca de solução para crise no HUJM

Os trabalhadores do HUJM estão muito próximas de uma grande vitória, o regresso a jornada de trabalho com 30 horas semanais. Em reunião junto ao Ministério Público, o Sintuf-MT e comando de mobilização do hospital conseguiram mostrar a procuradora da República, Samira Angel, que a decisão de obrigar os trabalhadores a uma jornada de 40 horas é arbitrária e fora da realidade aceitável no HUJM. 

Em linhas gerais, ficou claro que o Ministério Público não possuía todas as informações sobre o caso em questão. “A procuradora não sabia que havia sido feito um estudo em 2010 para fundamentar a viabilidade da jornada de 30 horas, a Ebserh não informou que os trabalhadores foram cedidos pela UFMT com essa jornada de 30 horas regulamentada no termo de cessão, e ainda não havia explicado que a jornada não se aplicava a todo o hospital. Todos estes pontos foram detalhados, mostrando que a luta dos trabalhadores é justa e correta”, destacou a coordenadora administrativa do Sintuf, Leia de Souza Oliveira. 

A coordenadora geral do Sintuf e servidora do HUJM, Valdelice da Silva Ormond, explicou que existe plenas condições de fechar as escalas com 30 horas sem o pagamento de APH. “Ficou notório que o problema é gestão. Precisa fazer um remanejamento, porque existem setores com muitos trabalhadores, além da necessidade, e outros faltando. Mas vamos provar que o hospital funciona normalmente com jornada de 30 horas. Na verdade, essa escala de 40 horas está trazendo tantos problemas que a gestão já viu que errou”. 

Também representando o sindicato, Ana Bernadete fez um resgate histórico da luta dos trabalhadores para conquistarem a jornada ininterrupta. "Nós fizemos muitas manifestações. Conseguimos provar para Reitoria que a jornada é o melhor caminha para o Hospital. Agora essa decisão está adoecendo ainda mais o trabalhador, que do dia para noite viu toda sua rotina sendo atacada. Estão todos analisando sair do HUJM, aposentar, pedir férias e afastamentos. É uma pressão injustificável onde todos saem perdendo. Essa reunião com Ministério Público certamente trará bons frutos para os trabalhadores, que certamente terão o seu direito restabelecido". 

O próprio reitor da UFMT em exercício, Evandro Soares, assegurou que não há irregularidade na jornada de 30 horas, afirmando que irá implementar a jornada assim que a escala for enviada pelo sindicato e analisada pela gestão. 

“A luta vale a pena. A bola está conosco e estamos virando o jogo. É importante nos mantermos unidos nesta reta final para garantir o retorno deste direito que beneficia o trabalhador, mas principalmente, garante a qualidade no atendimento do usuário SUS. Temos que confiar no sindicato e realmente participar”, reforçou o também coordenador  geral do Sintuf, Fabio Ramirez. 

Uma assembleia foi realizada na terça-feira (30.04) para avaliar a situação junto aos trabalhadores. Uma próxima assembleia deverá ser realizada nesta semana para acompanhamento e manutenção da mobilização. Os trabalhadores seguem em Estado de Greve.

 

Matéria Daniel Dino

Assessoria Sintuf-MT


CHÁCARA DO SINTUF

Redes Sociais

Sintuf-MT

Av. Fernando Corrêa da Costa, s/nº. - Campus Universitário - Coxipó - MT - 78060-900

Tel: (65) 3028-2924 - (65) 3028-2925

E-mail: sintuf@terra.com.br 

Atendimento:  07h30 às 18 horas 

SEDE DO SINTUF-MT

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo